1 de fev de 2011

Passando o mel

Uma dos eventos mais legais, quando do atendimento a questões de higiene do mel solicitadas pelo MAPA, foi a de que o mel não deveria tomar contato com o ambiente externo, ou o mínimo possível. Foi aí que eu criei a grande caixa de passagem de mel. O mel era coletado por meio de uma bomba a vácuo e eu tirei o vasilhame original e adaptei um vidro de 3,6 litros ou 4 quilos, 30 minutos para encher. Depois estes vidros eram remetidos para dentro da grande caixa de acrílico e derramados num funil fixado em um buraco na tampa provisória do balde de 20 litros, depois o balde era lacrado com a tampa sem furo. As mãos eram enfiadas por um óculo de passagem. Esta caixa de passagem deu lugar a um conteiner de aço inox sugerido pelo MAPA, era assim a sugestão: Deveríamos carregar um conteiner de aço inox de 800 kg até os meliponários, levar as melgueiras para dentro e proceder a coleta de mel. Se eu entendo como impossível a história do conteiner? Claro que não, mas uma pequena caixa de acrílico com não mais de 4 quilos resolveu perfeitamente. Depois do balde cheio, era só levantar a caixa, não tinha fundo, e trocar o balde cheio pelo vazio, foi assim que coletamos 1,5 toneladas de mel em 2008. Depois, é claro, desumidificamos a 20 de umidade e colocamos nos estabelecimentos legalizados de Manaus para a venda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores